jusbrasil.com.br
21 de Novembro de 2019
    Adicione tópicos

    Após eleições no Congresso, governo defende um reequilíbrio de forças

    Agência Brasil
    Publicado por Agência Brasil
    há 11 anos

    Brasília - Depois de o PMDB conquistar hoje (2) as Presidências do Senado e da Câmara pelos próximos dois anos, o ministro de Relações Institucionais, José Múcio, deixou a reunião ministerial com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva falando da necessidade de se fazer um reequilíbrio de forças dentro da base aliada.

    “Não houve surpresa. Todo mundo já imaginava como seria o resultado. Entendemos que as duas Casas são soberanas e experientes para escolher seus representantes”, afirmou. “Nós já vínhamos trabalhando com o PMDB. Agora, só reequilibrar as forças, as demandas e manter o diálogo”, completou o ministro, sem detalhar como será a acomodação das forças políticas, apenas informando que dará início às conversas na próxima semana.

    Múcio garantiu que os cargos ocupados pelos peemedebistas no Executivo serão mantidos. “Os ministérios se mantêm os mesmos”, disse. “Por mais democrático que seja, sempre depois do resultado há sempre o ressentimento. Os vitoriosos com alegria e os ressentidos com a tristeza da derrota, mas o governo entende que foi livre a escolha dos parlamentares”, afirmou.

    Questionado se o Palácio do Planalto recebeu as vitórias do PMDB com alegria ou ressentimento, o ministro esquivou-se na resposta: “O Palácio está com a consciência tranqüila de que as Casas está em mãos responsáveis, experientes”.

    Durante a reunião ministerial, que durou dez horas na residência oficial da Granja do Torto, Lula e os ministros foram avisados sobre o andamento das eleições e o resultado por meio de mensagens recebidas de interlocutores e conversas paralelas, como relatou José Múcio.

    Após a entrevista à imprensa, Múcio informou que iria parabenizar o deputado Michel Temer (PMDB-SP), eleito presidente da Câmara com 304 votos. Já José Sarney (PMDB-AP) teve 49 votos, contra 32 do adversário, o petista Tião Viana (AC). É a terceira vez que Temer e Sarney ocupam os comandos das duas Casas do Legislativo.

    Os únicos ausentes ao encontro com o presidente Lula foram os ministros de Minas e Energia, Edison Lobão, representado pelo seu secretário-executivo, e Nilcéa Freire, a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Foi a primeira reunião ministerial do ano.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)