jusbrasil.com.br
27 de Fevereiro de 2021
    Adicione tópicos

    Volume de fusões e aquisições de empresas movimentou R$ 116,7 bilhões até setembro

    Agência Brasil
    Publicado por Agência Brasil
    há 11 anos

    Rio de Janeiro - Um levantamento feito pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostrou que o volume de transações de fusões, aquisições, ofertas públicas de aquisição de ações e reestruturações societárias efetuadas no país até setembro totalizou R$ 116,7 bilhões. O aumento foi de 33,4% sobre o mesmo período de 2008, aproximando-se do resultado registrado em 2007, que alcançou R$ 141,2 bilhões.

    Para a economista Carolina Lacerda, responsável pela Subcomissão de Fusões e Aquisições da Anbima, a crise financeira internacional gerou oportunidades e necessidades que foram aproveitadas pelas grandes empresas nacionais. Em contrapartida, segundo ela, o clima de incerteza predominou entre as médias e pequenas companhias, fazendo-as postergar suas decisões de investimento.

    “A grande diferença é que houve um maior número de operações de fusões e aquisições entre empresas brasileiras e não de empresas estrangeiras adquirindo ativos no Brasil, como ocorria no passado”, disse a economista à Agência Brasil.

    A pesquisa revelou ainda que 32,8% das operações foram de negócios superiores a R$ 1 bilhão. No mesmo período do ano passado, as mesmas transações representavam 19,3% do total. “São operações grandes que continuam acontecendo na crise. As operações menores acabam ficando um pouco retraídas devido ao clima de incerteza”, afirmou Carolina Lacerda.

    O setor de alimentos, em função das fusões da JBS Friboi com a Bertin e da Sadia com a Perdigão, liderou o movimento de fusões e aquisições entre janeiro e setembro de 2009, respondendo por 45,5% do volume financeiro. Em segundo lugar aparece o setor de papel e celulose.

    A expectativa da Anbima é fechar o ano com números similares aos de 2007. Para 2010, o otimismo se mantém, uma vez que a crise tornou os ativos mais baratos. Além disso, o bom momento da economia nacional comparativamente à de outros países e a realização, no Brasil, de eventos como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 estimulam o consumo e a movimentação de recursos. “Então, a nossa expectativa é de um crescimento ainda maior em 2010”, afirmou.

    Carolina Lacerda disse ainda que deverão ser realizadas no próximo ano muitas operações de fusão e aquisição no setor bancário, principalmente de bancos médios, e aquisição de bancos estrangeiros por bancos brasileiros.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)